quarta-feira, 27 de março de 2013

John Boyne - O Menino do pijama listrado




O Menino do pijama Listrado
Autor: John Boyne
Editora: Cia. Das Letras

Sobre: "... Caso você comece a lê-lo, embarcará em uma jornada ao lado de um garoto de nove anos chamado Bruno (embora esse livro não seja recomendado a garotos de nove anos). E cedo ou tarde chegará com Bruno a uma cerca. Cercas como essa existem no mundo todo. Esperamos que você nunca se depare com uma dessas.

Opinião: Peguei esse livro emprestado com a minha prima no mês de agosto de 2012 e comecei a lê-lo. Parei nos primeiros capítulos pois não consegui me prender com a narrativa do autor. Surgiram outros livros e fui deixando O Menino do pijama listrado para trás, mas com o marcador na página onde eu havia parado, pois sabia que valeria a pena continuar um dia. Chegou 2013 e eu decidi voltar a lê-lo. Mais uma vez desisti até que depois de um tempo eu comecei de novo - desta vez do início - e consegui depois de mais algumas semanas terminar e me encantar pelo livro. 
O Menino do pijama listrado é uma fábula encantadora de um marco histórico que considero ser um dos mais terríveis que já ouvir dizer: a perseguição aos Judeus. Nesse livro John Boyne escreve de forma simples e em linguagem universal, a história do pequeno Bruno que vê sua vida virada de cabeça pra baixo quando recebe a notícia de que terá que sair de sua casa em Berlim e ir com seus pais e sua irmã Gretel - o Caso Perdido - para um lugar chamado Haja Vista, porque o Fúria tinha grandes planos para o seu pai. 
Bruno sempre disse que se mudar para aquele lugar tão diferente de Berlim era uma má ideia, e começou a contar os dias para voltar a sua verdadeira casa e para seus três melhores amigos. Até que ele avista da janela de seu quarto uma cerca enorme com pessoas vestidas todas iguais:  todas de pijama listrado. Então o menino fica muito curioso com aquilo e mal entende o que significava, até que em uma exploração conhece o pequeno Shmuel, que vive do outro lado da cerca; ambos criam uma grande amizade.
O que mais gostei no livro foi a forma simples com que o autor escreve, mas mesmo assim conseguindo criar uma história incrível cheia de detalhes que me surpreenderam muito. Bruno e Shmuel mostraram a inocência das crianças e o que é amizade sincera entre duas pessoas. 
O final do livro me surpreendeu e emocionou. Fiquei triste e refleti o quanto aquele povo sofreu nas mãos de pessoas más.  
Enfim, esse livro me marcou e nunca vou me esquecer dessa linda obra que retrata um momento tão triste da humanidade e que defende que somos todos iguais. 

Tiago Vieira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário